domingo, 4 de julho de 2010

Corpo de Bombeiros- Dia 2 de JULHO.....

Corpo de Bombeiros:

não poderia jamais começar esta homenagem aos grandes homens desta honrada corporação chamada Corpo de Bombeiros,sem antes parabenizar minha amiga bombeira,Alanir Torres pelo seu dia,Dia do Bombeiro....

No dia 02 de julho comemora-se o dia do bombeiro, uma corporação da Defesa Civil que se encontra diretamente ligada à Polícia Militar.

A data foi decretada oficial no Brasil no ano de 1954, e hoje já somam cento e cinquenta e dois anos de existência.

Os primeiros registros dos serviços do Corpo de Bombeiro no Brasil surgiram no ano de 1856, quando o imperador D. Pedro II assinou um decreto que caracterizava a diminuição dos incêndios.

Antes da criação dessa corporação, as pessoas apagavam os incêndios contando com a ajuda de vizinhos e amigos, além de contar com a boa sorte de se encontrar água em abundância na localidade. As latas iam passando de mão em mão, até chegaram ao local do incêndio, de forma bem simples e arriscada, podendo causar maiores danos, em razão da falta de preparo das pessoas.


Hoje em dia podemos acessar o corpo de bombeiros através do telefone 193, um número que atende localidades de todo o país. Mas esse número deve ser preservado de trotes e brincadeiras de mau gosto, pois podem atrapalhar no salvamento de vidas que estejam em perigo.

A profissão de bombeiro é muito bonita e deveria ser mais valorizada, pois colocam suas vidas em perigo para salvar a vida de outras pessoas.

Além de servirem para apagar fogo, esses profissionais são preparados para fazer resgates de pessoas que correm risco de perder a vida, socorrer animais em situações difíceis, asfixia, tentativa de suicídio, afogamentos e traumas em acidentes, desaparecimentos em florestas e matas, etc.

O Corpo de Bombeiros é uma das instituições mais respeitadas do país. E não é para menos.

Como não admirar a coragem, a bravura, a determinação e ousadia dos seus soldados ao enfrentar incêndios nas matas, em arranha-céus... além da inteligência e sangue-frio no salvamento de suicidas, resgate de feridos e cuidados especiais em acidentes.

É também uma das profissões mais lúdicas, que mais mexe com o imaginário infantil: quem já não brincou de - ou pensou

Mas o Corpo de Bombeiros não é só isso. É muito mais. É uma história que começa com o Código de Hamurabi, século XVII a.C. e que continua sendo contada até hoje. E ainda o será por muitos séculos que ainda há por vir. Os bombeiros geralmente são subordinados à defesa civil de cada estado. É comum fazerem parte da Polícia Militar, o que deixou de ser obrigatório desde 1997.Porém, antes mesmo que estas instituições existissem, a humanidade já se preocupava em organizar métodos e treinar pessoas para acudirem em caso de calamidades.

Um precursor muito antigo do atual código de leis dos bombeiros é o famoso Código de Hamurabi, um conjunto de normas criadas pelo imperador babilônico Hamurabi, no século XVII a.C.É que, entre as normas de convivência comunitária do Código de Hamurabi, figuravam as regras de prevenção de incêndios. Veja se não é interessante: 282 artigos do Código viraram leis e estão em vigor até hoje!


Um grupamento destinado a combater incêndios só veio a existir, segundo registros, em 564 a.C., na China. Em Roma, a primeira brigada de incêndios oficializada foi em 24 a.C., sob ordens do imperador Augusto e formada por soldados e escravos.O primeiro corpo de bombeiros militar do mundo surgiu apenas 30 anos depois, também em Roma, composto por mais de 8 mil legionários-bombeiros. Este modelo permaneceu até o fim da Idade Média, quando começaram a surgir os bombeiros modernos. No século XVII, por exemplo, já era utilizada uma boba d'água mais eficiente, a Van der Heydens, de 1699.

Em 1851 foi criado o primeiro Corpo de Bombeiros profissional em Berlim, Alemanha.

No Brasil, o Corpo de Bombeiros Provisório da Corte, em 1856, foi nossa primeira versão para uma brigada deste tipo, baseada em um modelo francês, utilizado por Napoleão no século XIX. Hoje, chama-se Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ).


O Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo (CB PMESP) é um Grande Comando da PMESP, cuja missão primordial consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito do estado de São Paulo.

Ele é Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil. Seus integrantes são denominados Militares dos Estados pela Constituição Federal de 1988, assim como os demais membros daPolícia Militar do Estado de São Paulo.

Desde 1851 existiram iniciativas no sentido de constituir um serviço de combate a incêndios na cidade de São Paulo. Porém, oficialmente isso somente se concretizou em 10 de março de 1880, com a promulgação de uma lei da Província de São Paulo que instituiu um Corpo de Bombeiros, com 20 (vinte integrantes, anexo à Companhia de Urbanos que era a Corporação Policial da época. Sendo assim, ao contrário dos bombeiros cariocas, em São Paulo, tem origem dentro da Corporação Policial. Em1887 essa Seção foi transferida para o prédio da Rua do Trem (atual Rua Anita Garibaldi); endereço que permanece até os dias de hoje, como uma das sedes do Corpo de Bombeiros de São Paulo.

É dessa época este carro-pipa ao lado, com capacidade para mil litros.

O trabalho voluntário de bombeiros surgiu no Brasil em 1892, em Santa Catarina, na cidade de Joinville. No Rio de Janeiro, só apareceu em1997.

Antes de dar alarme falso, procure se certificar que há realmente um incêndio, mas não se arrisque. Procure ficar a uma distância segura para detectar o que está queimando e a extensão do fogo.

Só então chame os bombeiros, pelo número 193. Se puder, acione algum alarme.

Desligue a eletricidade e alerte as pessoas que possam estar no local. Retirem-se, caso não possam combater o fogo, não esquecendo de deixar as portas e janelas fechadas - mas nunca trancadas. Não use o elevador: a energia pode ser cortada a qualquer momento e não seria muito recomendável estar num elevador nesse momento. Do mesmo modo, pode ser bem desagradável pegar um elevador e ele abrir justo no andar que estiver em chamas.

O 17º GB, sediado no Guarujá, é a Unidade do Corpo de Bombeiros responsável pelas atividades de Guarda-Vidas em odas as praias do litoral do estado, além das atividades de salvamento marítimo, através de lanchas rápidas e navios de salvamento. A Unidade também é conhecida como Salvamar Paulista

EM CASO DE EMERGÊNCIA , FIQUE CALMO.
LIGUE PARA O NÚMERO 1 9 3.

Mantendo a calma, identifique-se fornecendo
Nome e o Telefône de contato, relate o que
realmente está acontecendo e se há vítimas.

INFORME CORRETAMENTE O ENDEREÇO
DA OCORRÊNCIA.

O Museu de Zoologia -USP

Museu de Zoologia:
O Museu de Zoologia da USP começou sua vida como seção de Zoologia do Museu Paulista (Museu do Ipiranga), fundado em 1834 para comemorar a independência do Brasil e para atender a todos os ramos do saber humano. Seu acervo inicial era constituído de modesta coleção particular (Sartori), adquirida pelo governo do estado para nuclear a instituição.

Seu primeiro diretor, Hermann von Ihering, ocupava-se de várias especialidades zoológicas, além de Etnografia, e concentrava em suas mãos toda a pesquisa da casa. Durante sua longa administração apenas alguns subalternos, com funções de curadoria, conseguiram ter atividade pessoal de pesquisa: Hermann Luederwaldt (coleóperos) e João Leonardo Lima (morcegos).

O Museu empregava um excelente naturalista viajante, Ernesto Garbe, permanentemente no campo; assim, acumulavam-se coleções variadas de diversas partes do Brasil, algumas das quais, como o Rio Juruá, explorado em 1901-1902, até então desconhecidas cientificamente. As coleções assim formadas eram esporadicamente estudadas por especialistas de fora, às vezes com resultados notáveis: Miranda Ribeiro em peixes e anfíbios, Brölemann em miriápodos.

Por ocasião da Primeira Guerra Mundial, Ihering foi demitido em meio a rumoroso e complicado inquérito, sendo sucedido pelo História dor e politécnico Affonso d'Escragnolle Taunay, que perdurou no cargo por mais de 20 anos. Taunay continuou a política de Ihering, de manter um naturalista viajante no campo, de constituir uma pequena equipe científica de curadoria e de usar mais ou menos intensamente colaboração externa. Durante sua administração, o Museu manteve um perfil científico modesto, mas profissionalmente respeitável.

Em 1939 o governo do estado desmembrou o Museu Paulista. A seção de Zoologia, com parte da biblioteca, acervo e técnicos, passou a constituir o Departamento de Zoologia da Secretaria da Agricultura. Foi uma ação de caráter inteira e miudamente político, divorciada de qualquer consideração científica, resultando em uma repartição pública situada fora de contexto, sem missão definida e sem prestígio administrativo

A pequena equipe do Museu, contudo, concentrou-se em suas funções museológicas tradicionais, esperando melhores tempos e mantendo bom nível de pesquisa e, principalmente, de publicações. O primeiro diretor na Secretaria da Agricultura foi o agrônomo Salvador de Toledo Piza, de direção efêmera. Seguiu-se Oliverio Mário de Oliveira Pinto, ornitólogo de carreira na casa. Nessa fase foi o Museu transferido para o prédio adrede construído na avenida Nazaré, onde até hoje se encontra.

Pinto concentrou os parcos recursos do Museu na coleta ornitológica; opunha-se à sistemática moderna e à colaboração internacional. Apesar disso, a equipe do Museu, e principalmente os entomólogos, conseguiram certo grau de autonomia e mantiveram o ritmo de trabalho e publicação. Esse estado de coisas durou até 1959, quando foi nomeado diretor Lindolpho Rocha Guimarães, entomólogo de origem médica e pesquisador de primeira linha

Com Guimarães iniciou o Museu sua caminhada consciente no sentido de empreender pesquisa em nível contemporâneo e ensino de pós-graduação. Essas metas foram plenamente atingidas em 1969, quando o Museu foi integrado à USP. Essa integração pode ser hoje considerada como completa, e caracteriza-se principalmente pela introdução de forte contingente de sistemática evolutiva ao currículo geral de ensino e pesquisa.

O Museu de Zoologia da USP destaca-se, em escala mundial, pelo volume de suas coleções e pela qualidade da curadoria. A biblioteca, hoje com cerca de 50.000 volumes, foi iniciada no fim do século XIX; é praticamente completa para as finalidades, e atentamente mantida atualizada. As duas revistas científicas publicadas pelo Museu, Papéis avulsos de zoologia (em seu volume 38) e Arquivos de zoologia (no volume 32), garantem à biblioteca cerca de 480 permutas. O Museu é responsável por cerca de dois terços do ensino de pós-graduação em Zoologia na USP. Conta com 18 pesquisadores, 15 dos quais com grau de doutor ou título maior, pela USP ou por outras instituições.

A maioria dos animais expostos, em uma área de 700 m², pertence à fauna tropical e foi preparada (taxidermizada ou embalsamada) há mais de 50 anos. No saguão de entrada, algumas vitrinas informam o visitante sobre as principais atividades dos docentes e pesquisadores do Museu. Os animais estão grupados de acordo com sua classificação: peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos, e alguns invertebrados, como corais, crustáceos e moluscos. A Biblioteca, especializada em Zoologia, dispõe de instalações e equipamentos modernos, atendendo a comunidade científica e o público em geral. Conta com um patrimônio de 73.850 volumes, sendo 8.473 livros, 2.364 títulos de periódicos, além de teses e mapas.

Junto com a criação do Departamento de Zoologia, foi projetado um novo prédio para a coleção zoológica.

Com o término da construção, em 1940-1941, o acervo zoológico foi transferido para o edifício que hoje ocupa.

Finalmente, em 1969, o museu passou a fazer parte da Universidade de São Paulo e recebeu seu nome atual.


Avenida Nazaré, 481 - Ipiranga - CEP 04263-000 - São Paulo - SP - Brasil - Fone: (55) (11) 2065-8100 - Fax: (55) (11) 2065-8115 - E-Mail: mz@edu.usp.br











HOMENAGEM AOS BOMBEIROS DE TODO O MUNDO

BOMBEIROS do MUNDO !

Em 2 de julho de 1856, o Imperador D.Pedro II, assinava o Decreto Imperial nº 1.775, que regulamentava, pela primeira vez no Brasil, o serviço de extinção de incêndio. Nessa época, ao sinal de incêndio, o badalar dos sinos alertava homens, mulheres e crianças que ficavam em fila e, do poço mais próximo, passavam baldes de mão em mão, até chegarem ao local que estivesse em chamas. Para oficializar a importância do bombeiro, por decreto do Presidente da República, desde 1954, todo 2 de julho deve ser dedicado a homenagear esses profissionais.

. Nada mais justo que uma data em honra dessas pessoas sensíveis às necessidades do próximo e engajados no desejo de servir bem a comunidade. Quando a multidão assustada desce correndo as escadas, um grupo inexplicavelmente corre no sentido contrário, são os bombeiros levando consigo a esperança, a força, a fibra a honra e o amor. Além do peso dos equipamentos, uma história milenar é carregada em seus ombros, uma história feita de conquistas, de dignidade, de abnegação.
Quando Deus parece ser a última solução, eis que surge aquele que talvez nada mais possa fazer, mas sua presença será vista na eternidade de quem precisou partir. É possível que em algumas vezes não parta sozinho, levará consigo aquele que estendeu a mão pela última vez. Mas o bombeiro continuará subindo vários degraus, mesmo depois que as escadas se acabarem, mesmo depois que o prédio estiver Hoje em dia podemos acessar o corpo de bombeiros através do telefone 193, um número que atende localidades de todo o país. Mas esse número deve ser preservado de trotes e brincadeiras de mau gosto, pois podem atrapalhar no salvamento de vidas que estejam em perigo.

A profissão de bombeiro é muito bonita e deveria ser mais valorizada, pois colocam suas vidas em perigo para salvar a vida de outras pessoas.

Além de servirem para apagar fogo, esses profissionais são preparados para fazer resgates de pessoas que correm risco de perder a vida, socorrer animais em situações difíceis, asfixia, tentativa de suicídio, afogamentos e traumas em acidentes, desaparecimentos em florestas e matas, etc.

Fazem ainda a fiscalização em empresas, garantindo condições de primeiros atendimentos em caso de incêndios, onde as mesmas devem manter extintores cheios e oferecer equipamentos de segurança aos funcionários.

Os bombeiros também desenvolvem projetos sociais e educativos, levando para as escolas orientações a jovens e crianças sobre formas de evitar acidentes, cuidados em represas, piscinas e praias, cuidados com álcool e fogo, acidentes em brincadeiras, não mexer em produtos de limpeza, não ingerir remédios sem orientação de pessoas adultas, dentre várias outras. Além desses, mostram o quanto é importante ter atitudes corretas enquanto cidadãos, como manter a ordem de nossas cidades, respeitar as leis e cumprir com nossas obrigações.

Esse trabalho é muito importante, pois através da prevenção levam para os estudantes orientações que podem evitar acidentes, tornando-os mais responsáveis em suas atitudes.

Os anjos existem!!!!
Mas... diferente do que imaginamos,
Eles não possuem asas,
nem poderes celestiais.s
ão como nós,

pessoas normais.

O amor ao proximo, é o que os tornam especiais.

Estes anjos,

tão sempre prontos a ajudar.
E arriscam suas vidas, para outras vidas salvar.

São fortes e destemidos,
e enfrentam qualquer tipo de perigo,
para o seu próximo ajudar.

Mas, infelizmente nem sempre são lembrados.
E por muitas vezes, depois de terem arriscado suas vidas;
Não recebem, nem se quer um OBRIGADO!


Mas isto, não os impede de continuar a trabalhar,

Salvando vidas em qualquer hora e em qualquer lugar!
Estes anjos, são merecedores de todo nosso respeito.

Por muitos eles são chamados de BOMBEIROS.

Mas eu os chamo de 'ANJOS'...

ANJOS VERDADEIROS!!!!

E aqui eu deixo... A minha singela homenagem,
a estes anjos, de muita bravura e coragem!

Que Deus abençoe a todos vocês!!!




quinta-feira, 1 de julho de 2010

Doutores do Amor..“O Amor é Contagioso”.


GILMARA DELMONTE.

Conheci esta pessoa maravilhosa ,dentro de minha caminhada não pessoalmente(adoraria muito), mas por contato , Através destes contatos observei que esta pessoa desenvolvia um lindo trabalho junto de um grupo com muito amor e felicidade, vestindo-se de palhaços que levam alegria para dentro de instituições hospitalares, creches e asilos.Um trabalho voluntário, sem fins lucrativos.Nesta matéria vou colocar um pouco mais da Amiga Gilmara Delmonte,Sua vida e sua caminhada para chegar onde o destino lhe direcionou como pessoa humana para que pudesse desenvolver este lindo trabalho humanitário.

há cerca de 30 anos ,Gilmara Delmonte ,que na época estava gravida,sonhou ser uma boneca,sua filha nasceu ,o tempo foi passando,logo veio o segundo filho e o sonho de ser boneca ainda continuava dentro de si,ela então decidiu conversar com a filha,que já estava com 10 anos,a menina na época sugeriu a mãe que passasse a se vestir de boneca``percebi que o sonho sugeria que começasse a levar a alegria as pessoas necessitadas.Observamos aqui que o seu destino já começara a ser traçado ,que seus desejos se intensificou através do pedido de sua filha,amadurecendo esta idéia,Gilmara Delmonte acreditou no que seu coração pedia e partiu para fazer de sua vida uma completa doação de amor.
Gilmara , começou a interpretar personagens diversos,sempre usando perucas e roupas coloridas,de formas bastante divertidas.contudo,o receio de sofrer preconceito fez com que ela escondesse o trabalho durante algum tempo.``tinha medo de ser criticada e rejeitada pelas pessoas a minha volta´´ Gilmara conta que ficou cerca de seis anos atuando com personagens sem ser identificada``até que um dia ,fiz uma festa onde muitos conhecidos estavam presente ,fui descoberta e sofri críticas de algumas pessoas ,mas o apoio de muitos ,inclusive dos meus filhos ,fizeram-me continuar, nunca desistir.

nascida e criada em Pirapetinga(MG),Gilmara conta que seu contato com ações volutárias teve inicio quando era menina,já acompanhava o pai,então Prefeito do municipio, durante as visitas as escolas e aos hospitais,aos 15 anos ,mudou-se para Juiz de Fora,a fim de estudar ``me sentia muito sózinha,sem ter o que fazer e passei a visitar asilos para suprir a carência causada pela distancia dos meus pais.

depois de interpretar vários personagens,Gilmara Delmonte assumiu a identidade da Miloca.

hoje ,desenvolve trabalho voluntário em 14 instituição,entre hospitais,clinicas e asilos.para ela .cada visita é uma emoção diferente``a sensação que tenho ao trabalhar em um hospital é uma ,em um asilo é outra ,é como se eu me sentisse abraçada,chego em casa cansada ,mas extremamente feliz e emocionada.Gilmara destaca que as preocupações materiais ficaram para traz a partir do momento em que se passou a se preocupar em, levar um pouco de alegria áqueles que dela precisam.O nome miloca surgiu por acaso``não sabia se seria liloca ou miloca.um dia enquanto andava pelo centro,conversando com minha filha sobre o possiveis nomes,ouvi um desconhecido dizer que miloca era o melhor e assim ficou..´´

uma personagem que tem todo carinho de Gilmara é o de mamãe noel``há alguns anos eu tenho o costume de me vestir de papai noel.no final do ano passado fui convidada pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) para ser a mamãe noel da cidade,o que me deixou muito contente estamos acostumado a lidar com crianças.aliás cerca de 300 passavam pelo meu colo a cada dia,mas ver a reação dos adultos é que é maravilhosa,Gilmara ainda aguarda difinição a respeito de viver mamãe noel este ano..

Projetos:

os trabalhos da Diretora Gilmara Delmonte( miloca) são desenvolvidos em duas equipes.

A organização -não governamental(ONG) Doutores do Amor conta com voluntários e é direcionada a hospitais e asilos.

segundo ela ,são visitados entre 800a mil leitos por mês

O outro projeto é a equipe da miloca,que anima festas particulares e eventos diversos.

CONTA TAMBEM COM O APOIO DE : ``SUPREMA FACUDADE DE JF e CINDI IMAGENS....

Entre os projetos futuros da Diretora Gilmara Delmonte,estão dois livros,um de literatura infantil e um livro em que contará sua trajetória.

os interessados em realizar trabalhos voluntário junto a Diretora Gilmara Delmonte (miloca) ou fazer doações para os projetos podem entrar em contato pelos telefones:(032)9967 5832 e (032) 32315836 ...

obs:agradeço a Diretora Gilmara Delmonte ,por me conceder um pouco de sua História,para que eu pudesse fazer mais uma matéria em meu blog..Obrigado amiga!.....


quinta-feira, 24 de junho de 2010

Dra.Sô Chique Bemmmm! . Fazer o bem sem olhar a quem!

A pouco tempo,conheci uma pessoa maravilhosa que tem como vida se doar de coração,as pessoas de quem dela precisar.
Renata machado:
Ou ..........
DRa-Sô Chique Bemmm!!!
Fazer o bem, sem olhar a quem, pode ser mais gostoso do que se imagina!
Este é o lema que ela incorporou em vida;
Através de uma reportagem que nossa amiga deu a uma jornalista,estou aqui doando para vocês um pouco da história desta brasileira que ama o próximo como a si mesma..
Vivemos em um mundo hipócrita, no qual muitas vezes a pessoa que consideramos nosso melhor amigo, em um grande deslize, nos faz desacreditar no amor, na lealdade e na cumplicidade. Porém, como tudo nesta vida é um "looping", pessoas enviadas pelos anjos, ou melhor, muitas vezes podendo ser consideradas seres celestiais, vem à Terra com uma missão: fazer o outro feliz, independentemente deste ser rico, pobre, alto, baixo, gordo, magro, saudável ou com algum problema de saúde. E entre estas pessoas está a Renata Machado, que gosta de ser chamada de Dra. “Sô Chike Beeem”Com muito amor, simpatia e de um humor de dar inveja aos mais alegres, ela se veste de palhaça e faz a alegria de quem necessitar de um sorriso.
Confira a entrevista com esta mulher especial, que irradia energia positiva por onde passa! Faço só trabalhos voluntários. Atuo em hospitais, creches, asilos, orfanatos, casas de apoios às crianças com câncer, aids, entre muitos outros lugares. Sempre fui voltada a este tipo de trabalho e tenho uma paixão inexplicável ao mundo mágico dos palhaços. Na minha infância, morando em Paraisópolis, uma pequena cidade do interior de Minas,
ficava deslumbrada quando aparecia um circo na cidade. Sem poder aquisitivo para ir aos espetáculos, corria na calçada para ver o “circo passar”. Na adolescência comecei a participar de teatros beneficientes. E hoje, graças a Deus, sou uma palhacinha que tenta levar um pouco de alegria e vida àqueles que estão em leitos, orfanatos, creches e em lugares sem alegria, que com um pouco de esperança, podem voltar a acreditar no amor
Confira a entrevista com esta mulher especial, que irradia energia positiva por onde passa! Faz só trabalhos voluntários. Atua em hospitais, creches, asilos, orfanatos, casas de apoios às crianças com câncer, aids, entre muitos outros lugares. Sempre foi voltada a este tipo de trabalho e tem uma paixão inexplicável ao mundo mágico dos palhaços. Na infância dela, morando em Paraisópolis, uma pequena cidade do interior de Minas,
Quando você se aventurou pela primeira vez neste "mundo fantástico"?

Renata - Foi em Salvador, onde morei por dois anos. Eu e mais duas amigas juntávamos nossas moedas e íamos pra a Casa de Apoio à Criança com Câncer da região. E também a uma casa onde recolhiam crianças abandonadas. Foi aí que comecei a perceber como os nossos problemas são pequenos perto desta dura realidade!De Salvador me mudei para Montes Claros, em Minas, onde atuei pela primeira vez em um hospital. Foi lindo! E no meu mundo "cigana", pois é assim que defino a minha vida, já na oitava cidade, sempre acompanhando meu esposo em suas transferências pela empresa em que trabalhava, me mudei para Vila Velha, no Espírito Santo.

Lá fiz um curso e entrei novamente em um outro projeto, o "Especialistas do Riso", na cidade de Vitória. Depois de uma longa brasileira, retornamos às nossas raizes, no Sul de Minas, onde estou buscando continuar este trabalho tão prazeroso e também lutando para poder participar de peças teatrais. Está difícil, mas acredito no meu sonho e sei que vou conseguir
Para fazer o seu trabalho, o que você acha que as pessoas precisam ter?

Renata - Nesta minha trajetória já ajudei a uma imensidão de pessoas, mas também aprendi que para fazer este trabalho é necessário ter boa vontade, perseverança, amor ao próximo e principalmente que cada um ame a si próprio, pois é através deste amor que podemos, sim, transferir nossas energias aos nossos irmãos.

Embora o ser humano seja muitas vezes tão "estranho", no que você acha que o nosso mundo poderia melhorar, para disseminar ainda mais o amor?


Renata - O ser humano poderia ser mais tolerante,menos egoísta, menos materialista e extrair o melhor de dentro de si. se doar mais criar tempo para poder ajudar o nosso proximo.poderiamos ser mais ermanados uns para com os outros.

O que você pensa das pessoas que cuidam de animais, ao invés de ajudarem às pessoas?

Renata - Estes que optaram por cuidar de animais, ao invés de ajudar às crianças, acredito que seja uma ótima opção para acalientar o ser vivo também. Respeito a atitude de cada um, mas na minha situação prefiro ajudar a um ser humano, seja ele criança. adulto ou idoso.

Para finalizar, deixe uma mensagem para que as pessoas saibam do seu trabalho e possam, junto a você, fazer deste mundo um lugar melhor!

Renata - Meu recado é para todas as pessoas que pensam em uma melhoria interior, que admiram este trabalho e sentem vontade em fazê-lo, para que pelo menos tentem uma só vez. Tenho a certeza de que não largarão mais. A transformação interior é automática. Você se sente como uma borboleta saindo do casulo, beijando cada florzinha existente nos campos e nos jardins da vida.

Tenho a certeza de que aquele gesto vai voltado para o bem, sem pensar em fins lucrativos, política ou mídia, e que todos que se envolvem neste tipo de trabalho nunca largarão este espaço.

Sou agradecida a Deus por me tornar uma voluntária, fazendo o bem e vendo nos olhinhos de uma criança, nos olhos cansados de um idoso, o brilho intenso da felicidade e do prazer.

O sorriso estampado nestes rostinhos é o que há de melhor! E, sem dúvida, os maiores beneficiados somos nós.

Vamos nos unir e se cada um fizer um pouquinho, o mundo será bem melhor!

Para contatar a Renata, envie um e-mail para remachado@ymail.com

(quero agradeccer ,você Renata por confiar e me ceder esta matéria para mais uma no meu blog)




domingo, 20 de junho de 2010

Doutores do Amor..“O Amor é Contagioso”.


A idéia de que o amor além de contagioso faz transformações na vida dos pacientes, teve inicio com o renomado médico e palhaço Hunter Patch Adams, eternizado pelo cinema no filme “O Amor é Contagioso”.

Existem pessoas que fazem da vida uma constante alegria e deixam transbordar esta felicidade de viver, transformando o ambiente hospitalar, local insalubre, estressante, e cheio de dores e angústias em um palco para encher de sorrisos um público que muitas vezes não tem nenhum motivo para qualquer felicidade, essas almas revestidas de carisma e dedicação respondem pelo nome profissional de doutores do amor

O 'Doutores do Amor' é uma instituição sem fins lucrativos
que existe ha 3 anos e em nossas visitas a hospitais,asilos e
clínicas contabilizamos atualmente 14 instituições e fazemos
em média 800 a 1000 leitos por mês na cidade de Juiz de Fora

Nosso objetivo é levar alegria e conforto para pacientes e acompanhantes e paraisso contamos com a colaboração da Secretaria de Saúde de Minas através do Dr.Marcos Pestana e da Indústria Farmaceutica Medquímica.
Para que nossas metas sejam cumpridas precisamos da ajuda de todos então venha logo se tornar um Voluntário do Amor!
Venha fazer parte da família Doutores do Amor e promova a humanização!

A verdade é que estudos já comprovaram que a alegria que os pacientes sentem ao ver essas pessoas transformam o seu estado
clínico, assim, eles respondem melhor as medicações e ficam mais receptíveis aos tratamentos. Os médicos acreditam que animar os pacientes com brincadeiras ajudam a reduzir o sofrimento deles

eles tem como objetivo incentivar os pacientes a aflorarem seus sentimentos na intenção de melhorar a resposta no tratamento de enfermidades.